terça-feira, 3 de abril de 2018

Rir com a mão na barriga


Riu-se com a mão na barriga. Caiu no sofá e rebolou até ao chão. Não se aguentava de tanto rir. Faltava-lhe a respiração. Afinal, pode-se morrer a rir. Tentou controlar o riso, mas não conseguiu. Olhava para ele com a máscara preta na cara e não se aguentava de tanto rir.
Onde é que já tínhamos chegado? O mundo estava todo louco. Só lhe faltavam os rolos na cabeça. Riu-se… Riu-se e até se engasgou de tanto rir.
Renato, olhava para ela incrédulo. Qual era a piada? Estava apenas a cuidar da sua imagem. Era importante cuidar da imagem. Não via piada nenhuma. Não estava a achar piada nenhuma. Não estava achar piada nenhuma… Mas tinha que confessar que estava tentado a juntar-se à festa. O riso livre era contagiante. Tinha duas opções, chatear-se ou rir-se com ela. Correu até à casa de banho e trouxe a máscara com ele. Atirou-se a ela e espalhou a máscara por todo o lado. Eram borrões negros na testa, na ponta do nariz, nos lábios…
Enrolaram-se a rir, no tapete. Riram com a mão na barriga. Não se aguentavam de tanto rir…

Sem comentários:

Publicar um comentário