sexta-feira, 11 de maio de 2018

A necessidade de recarregar baterias

Acordou com uma ligeira dor de cabeça.
Deborah, sabia que tinha se esticado um pouco durante o decorrer da semana.
Trabalhou por longas horas, tentou resolver o possível e o impossível...
Normal. A dor de cabeça era apenas o primeiro sintoma de cansaço.
Na sua opinião todas as dores e doenças eram um reflexo dos excessos cometidos.
Excessos de trabalho, excessos de estados de espírito negativos, excessos de "remar contra a maré"...
As dores são o primeiro sinal de alerta quando algo está fora do seu curso natural.
Deborah, sabia que esta semana se tinha esforçado demais e trabalhado longas horas. Pior ainda, Deborah, tinha passado a semana toda preocupada com pequenas coisas que bem no fundo sabia que não lhe competia a ela resolver.
Muita sorte tinha ela de ser uma ligeira dor de cabeça. Por vezes, os excessos atacavam-lhe vómitos e náuseas. Enfim...
Sentou-se e preparou um bom pequeno-almoço. Esta semana também não se tinha alimentado bem. Tomou um comprimido. Sentou-se ao computador e tratou das coisas mais importantes e urgentes. Ignorou as pequenas coisas que sempre lhe pareciam urgentes mas tinha a certeza que não eram assim tão importantes.
Enviou um email informando que estaria ausente durante o  resto do dia.
Deixou o telemóvel em cima da secretária prepositadamente.
Saiu e dirigiu até à praia. Sentou-se à beira-mar a recarregar baterias.
Respirou fundo e fechou os olhos. A dor de cabeça, aos poucos, desapareceu.
Sentiu-se rejuvenescida ao respirar a brisa do mar...
Após longas horas, levantou-se e voltou para casa com um enorme sorriso nos lábios.
Agradeceu pela ligeira dor de cabeça com que acordou de manhã. Era importante saber ler por entre as linhas.
Deborah, sabia que na correria da vida a coisa mais importante era saber quando parar e recarregar as baterias.

Adelaide Miranda, 11/05/2018

Sem comentários:

Publicar um comentário