terça-feira, 29 de maio de 2018

Um grande amor....

A vida corria lá fora, mas Deborah, trancada no seu quarto, estava parada no seu mundo.
Já lhe doíam olhos poisados sobre a fotografia, esbatida e envelhecida com o tempo, mas recusava-se a pestanejar. Queria que esta fosse a última imagem, o último momento, marcada na sua memória.
Sentia o corpo a fraquejar e a desfalecer. Já não tinha muitas mais horas para viver, sabia-o e sentia-o, mas não tinha medo. 
Viveu uma vida plena e só tinha um arrependimento: o de não ter largado tudo para ficar com o grande amor da sua vida.
Conheceram-se ainda novos, na escola secundária, e namoraram alguns anos até a família de Luís emigrar para os Estados Unidos. Durante meses e anos a fio, Deborah, carregou consigo o peso da dor de perder um grande amor. Luís tinha levado com ele uma parte do seu coração, contudo eram os dois menores e os desejos da família falavam mais alto.
A vida passou e ambos, em cantos opostos do mundo, construíram uma vida. Deborah casou-se com um colega da faculdade e Luís com uma americana que trabalhava na loja do seu pai. A vida passou, como sempre passa, mesmo com um pedaço arrancado do coração. 
Deborah amou o seu marido, o David, mas sabia que nunca iria amar ninguém como tinha amado o Luís. A mãe chamava de amores da adolescência...
Num acaso do destino, Deborah e Luís encontraram-se numa exposição em Lisboa. Esbarraram um no outro e, assim que os olhos se cruzaram, reconheceram-se imediatamente. Ficaram parados de olhos nos olhos durante uma eternidade... Beijaram-se e abraçaram-se... 
Sentaram-se num banco de jardim e falaram durante horas... Sem pensar, recolheram-se num hotel e amaram-se perdidamente. Deborah, entregou-se, finalmente, ao grande amor da sua vida como sempre tinha imaginado.
Luís pediu-lhe que largasse tudo e ficasse com ele. Os filhos já eram crescidos, todos haveriam de entender. Tinham poucos anos para viver, então que o fizessem juntos, finalmente juntos.
Deborah, com muito pesar, recusou. Não quis destruir a família que a tanto custo tinha construído. E queria guardar este amor como sempre o teve, puro e livre de discussões e problemas rotineiros. A sua relação com o Luís, sempre tinha sido uma relação perfeita e a sua salvação nos momentos de desespero... Não quis manchar o que tinha de mais belo.
Luís, partiu uma vez mais. Deborah, sentiu a dor de perder um grande amor, uma vez mais...
Com as mãos a tremer, fincou os olhos na foto de ambos, sentados no banco de um jardim, que um estranho tirou enquanto passava. Desde esse dia já se tinham passado 20 anos... Afinal, ainda lhe tinham restado 20 anos para viver o grande amor da sua vida...
Agarrou-se à foto e fechou os olhos... A vida que continuasse lá fora, a sua meia-vida tinha finalmente chegado ao fim.

Adelaide Miranda, 29/05/2018



Sem comentários:

Publicar um comentário